Li & Recomendo: Por Lugares Incríveis

Olá leitores, estive fora por muito tempo por dois motivos: bloqueio criativo e falta de internet, que causou o bloqueio criativo [risos]. Assim, para me redimir dessa ausência, caso alguém tenha notado [risos], eis que volto a postar neste querido blog que, infelizmente, ficou um pouco abandonado nos últimos meses.
Como não poderia deixar de ser, a postagem de hoje é nada mais nada menos que a resenha de mais um livro lido esse ano_ comecei bem porque esse é o segundo livro que terminei de ler e isso porque estamos no primeiro mês de 2015_ que me chamou bastante atenção pela temática abordada e o modo delicado como a autora expôs essa temática ao escrever a história.
Enfim, deixemos as delongas de lado e vamos ao que interessa: a reserva de “Lugares Incríveis”.

Sensível

 
Tratar de um tema espinhoso e que infelizmente faz parte de nossa sociedade como o caso do suicídio adolescente não é algo fácil, ainda mais quando se sabe que muitos jovens vêm cada vez mais cedo e por diversos motivos cometendo semelhante ato contra a própria vida; assim, escrever sobre o tema exige, no mínimo, sensibilidade sendo exatamente o que o leitor, independente de se encaixar na categoria adolescente ou não, poderá vislumbrar em Por Lugares Incríveis (Jennifer Niven, Editora Seguinte, 2015, 335 páginas) já que a história tem como mote retratar a vida de dois jovens que encontram um no outro a razão para viverem.
Quando Theodore Finch cogita a possibilidade de se jogar da torre do sino do colégio em que estuda não contava encontrar nesse mesmo local Violet Markey, uma das garotas mais populares da escola e, ao mesmo tempo inacessível a reles mortais como ele, assim, o jovem se vê obrigado a adiar os preparativos de sua morte para convencer Violet que há muito mais motivos para ela não pular do que o contrário, por conseguinte ambos se veem ligados irremediavelmente pela tragédia particular da vida de cada um já que o primeiro é hostilizado pelos colegas do colégio e negligenciado pela própria família enquanto a segunda precisa lidar com a perda prematura da irmã mais velha morta num acidente de carro onde a própria Violet saiu ilesa.
A dupla improvável, Finch-Violet, então passa a conviver mais de perto sendo um trabalho de geográfica, proposto com a finalidade de que os alunos conheçam mais sobre o estado onde moram, o responsável por estreitar os laços de amizade desses dois jovens desafortunados que descobrem, também, no amor juvenil mais um motivo para seguirem adiante.
A trama narrada em Lugares Incríveis consegue sensibilizar o leitor de modo a fazê-lo refletir sobre a importância de se aproveitar a vida como se a cada dia fosse um último suspiro. Jeniffer Niven, de modo habilidoso, sensível e nenhum pouco piegas retrata a questão da depressão e, por conseguinte, do suicídio adolescente de modo que muito poucos poderiam retratar, até mesmo porque a própria história de Finch e Violet, em certa medida, não deixa de ser autobiográfica já que a própria autora teve que lidar com a perda de alguém a quem amava.
Portanto, a leitura do livro em questão não é recomendada somente para o público jovem, mas também para aqueles que enxergaram na história traços de alguma realidade atualmente vivenciada ou anteriormente vivida, além, é claro, de servir de instrumento de informação para os que querem compreender, ainda que um pouco, a questão do suicídio sem que o mesmo seja rotulado e banalizado. 

Comentários

  1. Parabéns pela resenha Lucy! Já li Lugares Incríveis e amei! Beijo!

    www.newsnessa.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Meta de leitura 2016

Uma lição sobre o suicídio

Expressões idiomáticas ao pé da letra