Li e Recomendo: Anjo Negro

Boa tarde estimados leitores, eis-me aqui para postar uma resenha de livro imperdível; assim, se você é louco por livros assim como eu e não gosta de perder a oportunidade de ficar por dentro de uma história bacana,  aproveite esse finalzinho de ano para adquirir um bom livro e começar 2012 lendo! Enfim, espero que apreciem a resenha que preparei para o livro da escritora parceira do blog Mallery Cálgara. Beijocas!


Premissa Interessante

A nova tendência literária tem tido por tema a relação entre anjos_ seres celestiais desprovidos de sentimentos geralmente atribuídos aos seres humanos, tais como: ódio, rancor, luxúria, entre outros_ e humanos, sendo que na maior parte das histórias o envolvimento amoroso é o que prevalece, assim, jovens moças indefesas se veem relacionadas indiretamente com estes seres celestiais que, em sua maioria, são masculinizados quando em realidade acredita-se que anjos não tenham sexo e, muito menos, possam envolver-se amorosamente com alguém.
Mas é claro que na literatura tudo é possível, assim, o envolvimento amoroso de um anjo com um ser humano serve mais para tonar uma história interessante do que, necessariamente, tratar com desrespeito toda a questão espiritual ou religiosa que envolva estes seres iluminados por Deus. Entretanto, o que dizer quando o amor de um “anjo” esteja estritamente ligado ao amor maternal?
É exatamente a partir do questionamento levantado anteriormente que o livro Anjo Negro de Mallerey Cálgara (Coleção Novos Talentos da Literatura Brasileira – Novo Século Editora, 2011 – 201p.) se centra, não que o protagonista, um nefilins (metade humano, metade anjo) chamado Darian, não se veja apaixonado por seu anjo de guarda, mas o foco da história por si só é interessante já que Darian se vê num terrível dilema: encaminhar dez mil almas para o descanso eterno e propiciar um momento de alívio a alma de sua mãe ou trocar essas mesmas dez mil almas pela salvação de sua mãe, condenada por ter cometido suicídio.
É claro que muitos diriam que mais valeria ficar bem com o “todo poderoso” do que salvar uma alma que, querendo ou não, escolheu seu destino, não é mesmo?
Entretanto, se pararmos para observar a história, o próprio Lúcifer é muito mais bonzinho do que os anjos da trama, afinal, ele propõe a salvação da alma da mãe do protagonista ao invés de um alívio passageiro proposto pela turma dos anjos do bem.
A primeira vista pode chocar o fato de que o protagonista deva fazer o que tecnicamente é errado, mas o que ninguém parou para pensar é que nada seria possível sem o livre arbítrio e sem, é claro, o Deus da trama da Cálgara, ser ainda mais sábio por fazer o protagonista tomar uma atitude que elevaria sua alma a um patamar muito superior a de um mero nefilins, afinal de contas a questão do “sacrifício” fica evidente, sendo este mesmo sacrifício permitido pelo fato de o diabo, ironicamente, dar um empurrãozinho no momento chave da trama que, certamente, deixa gancho para uma continuação.
Contudo, cabe a cada um formar uma opinião a respeito da história escrita por Cálgara que, apesar de ter uma boa premissa e instigar o leitor a querer saber como tudo terminará, infelizmente não contou com o apoio da parte técnica dos organizadores da Coleção Novos Talentos da Literatura Brasileira, uma vez que há sérios erros relacionados à língua portuguesa e que, certamente, deveriam ter sido vistos pelos editores, afinal, uma boa editora deve oferecer, no momento em que se compromete a publicar um livro, todo o aparato necessário para que o leitor, ao ler a história publicada, sinta uma agradável sensação e não um ligeiro incômodo. Fora esse detalhe da revisão gramatical que não passará despercebido aos olhos do mais desatento leitor, o livro de Cálgara é recomendado com toda certeza.

Comentários

  1. Parabéns pela resenha Lucy! Estou ansiosa para ler Anjo Negro! Beijos!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Meta de leitura 2016

Expressões idiomáticas ao pé da letra

Uma lição sobre o suicídio